Arquivo

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Minha casa... e minha vida?

Governo concede R$ 17 bilhões para beneficiários do Programa Minha Casa, Minha Vida
Criação de conumidores e compra descarada de votos além de uma tentativa ridícula e amadora de aquecer a economia.
Amadora pq coloca gasolina na fogueira, nossa inflação é criada por alta demanda e baixa produtividade, aliadas ao fato de sermos um país fechado ao comércio exterior.
Minha Casa Melhor seria se o transporte, a segurança,a água, o esgoto estivessem instalados e se existissem creches, escolas e postos de saúde bons e próximos. Minha Casa Melhor seria se eu não precisasse de bote e colete salva-vidas quando chove...
Dilma, quer que a gente compre mais? Reduz a carga tributária do consumo e aumenta a carga tributária do patrimônio: IPVA, IPTU, IRPF e aprova o imposto sobre grandes fortunas e os impostos sobre heranças!

http://oglobo.globo.com/infograficos/precos-brasil-exterior/

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Por uma educação de qualidade e libertária!

Hora de parar de falar de Copa, novela e Big Brother e também hore de ligar o ventilador e dissipar a cortina de fumaça jogada sobre esse assunto da maioridade penal, vamos falar do que interessa:
A EDUCAÇÃO PÚBLICA DO RECIFE É CARA E RUIM!



Gráfico retirado do Ideb.
Podemos verificar que 2011 foi o último ano que se atingiu a meta, ficando EXATAMENTE na média
estipulada. 
Veja todas as informações no site do Ideb clicando aqui.



Veja também: 


segunda-feira, 20 de maio de 2013

Anarquia na prática!



É possível diminuir o Estado sem criar o caos e economizando muito dinheiro dos cidadãos.

O exército na Suíça.


A Suíça não possui forças armadas regulares em grande número. A sua defesa está baseada no princípio da milícia, todos os homens entre 20 e 42 anos estão obrigados à prestação de serviço militar. Existe um pequeno núcleo de militares de carreira, a quem cabe o dos milicianos e os comandos de escalão superior. Depois do treinamento básico, o soldado leva para casa todo o uniforme, assim como o fuzil e uma caixa de munição. Só existem 2 uniformes: o de combate e um mais “elegante” usado nas folgas ou em cerimônias. A comida é a mesma, tanto para soldados como para oficiais, nos quartéis até o refeitório é o mesmo. Essa tradição tem duas origens: A rapidez no caso de uma mobilização em caso de guerra e para lembrar aos políticos que a vontade do povo está acima de tudo.

A taxa de homicídio por ano por 100.000 habitantes na Suiça é de 0,7. Isso mesmo, uma hpotética cidade suíça com 300.000 habitantes teria 2 homicídios/ano em média. Enquanto isso, no Brasil, com Exército profissional e controle/restrição de armas de fogo a situação é de 21 homicídios/100.000 habitantes/ano. No nosso Pernambuco, único Estado da região NE a apresentar queda no índice (-27,8%) a média é 30,3. Em Caruaru, com pouco mais de 300.000 habitantes a média é de 45,2. Ou seja, em um ano na cidade fictícia Helvética do exemplo anterior com 300.000 habitantes ocorrem 2 homicídios por ano, na Capital do Forró, pelas estatísticas são 135!
Veja também: Mapa da Violência

sábado, 18 de maio de 2013

Pergunta para todos os que pagam impostos




Muitas vezes quando pensamos sobre a possibilidade de uma sociedade anarquista (rules without rulers), sem Estado e sem Governo, assustamo-nos com a possibilidade de cidades com infraestrutura inexistente ou deteriorada, lixo e caos urbano. O medo de altas taxas de criminalidade também é um fator preocupante. Entretanto, quando passamos dias como estes é difícil não perguntar: para viver sem estrutura, no lixo e expostos à violência, não era melhor que fosse sem ter que pagar IRPF, IPTU, ISS, ICMS etc etc etc???

Estação de metrô do Recife está alagada (Foto: Antônio Henrique / TV Globo)http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2013/05/chuva-alaga-estacao-de-metro-no-recife-mas-trens-estao-funcionando.html

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Recife vira Veneza, e agora?

Ansiosos cidadãos da grande Recife aguardam algum pronunciamento de... Ah... Vocês sabem!
E agora? A pergunta que não quer calar: Agora o rodízio será de botes, lanchas, balsas...?


E mais uma vez assistimos de camarote a cidade virar piada, porque afinal, só rindo mesmo!
A verba que foi liberada para as obras de drenagem, cadê? Nas obras da copa? Não se sabe...
Canais transbordam, Jacarés migram pra a cidade, crianças desaparecem em deslisamentos e hospitais pegam fogo, mas ninguém diz uma só palavra para ao menos tentar justificar toda a falta de estrutura para situações como essas...

Eis o vídeo postado hoje no diário de pernambuco mostrando algumas situações inusitadas ocorridas nesse "grande" dia:


E esses são exemplos de fotos tiradas pela população, compartilhadas no facebook, será que elas não são bons exemplos do grito de protesto do povo que paga seus impostos e vive a mercê disso?
Quem tiver mais fotos, compartilhe na nossa página, vamos fazer um mural, que tal?
https://www.facebook.com/neoanarquistas




quinta-feira, 16 de maio de 2013

Arquitetura Carcinogênica


"Cancro (português europeu) ou Câncer (português brasileiro) é uma doença caracterizada por uma população de células que cresce e se dividem sem respeitar os limites normais, invadem e destroem tecidos adjacentes, e podem se espalhar para lugares distantes no corpo, através de um processo chamado metástase."
Há meses que esta expressão não me sai da cabeça - arquitetura carcinogênica. Quando foi que ela me ocorreu pela primeira vez? Não sei bem. Talvez sobrevoando o Recife, a metrópole, e vendo do alto seus arranha-céus e favelas e morros e ruas tortuosas, vielas, becos, casas amontoadas, sem reboco, sem lógica, proliferando-se para o alto, para os lados, sem harmonia. Talvez o emaranhado de fios elétricos e telefônicos. Talvez os camelôs, fiteiros, barracas, churrasquinhos, bancas e outras expressões do comércio informal. Talvez as ruas sem pavimentação, talvez os esgotos a céu aberto ou ainda as ruas pavimentadas com o asfalto se desfazendo em buracos tal qual uma pele com erisipela. Talvez observando as praças públicas abandonadas, com mato, lixo, cães, cavalos e crianças em busca de espaço - incrível tamanho contraste entre espaços urbanos iguais em objetivo e tão diferentes em cuidados pelo poder público. Acredito que Dona Lindu ficaria mais feliz se soubesse que crianças pobres, como as suas eram, tivessem mais espaço para brincar melhor, não apenas espaço, espaços salubres.
Talvez todas estas cenas se amalgamaram nessa idéia, porém, a visão dos engarrafamentos... Sim, foi essa. As imensas filas de automóveis - Joanna Bezerra, Rua Imperial, Cais José Estelita, Ponte do Pina, Avenida Recife, Avenida Caxangá...Não há um único corredor livre do estresse, da poluição, do ruído e do desperdício. Desperdício de espaço, de tempo, de dinheiro, de vida. Sim, foi isso, foi essa cena. É isso, nosso modelo de desenvolvimento é carcinogênico. Coisas normais se proliferam anormalmente. É normal que as pessoas queiram ter uma carro! Nos Estados Unidos são 779 para cada mil habitantes, na Alemanha 558, na Suiça 539 e no Brasil, estima-se, 159! Mas apenas aqui cresce a frota e não as vias ou o sistema público de transporte. Resultado, o inchaço! a explosão das vias como pernas tomadas por filariose. É normal que as pessoas desejem os serviços da cidade, a segurança e os confortos da urbe. Aqui é diferente, as moradias e os carros se tornam tumores que sufocam e pressionam os órgão internos, prejudicando a circulação, a respiração, a digestão, os sentidos, matando o prazer de estar vivo.
Mas se o câncer descreve bem a (des)ordenação urbana, tratando-se de trânsito, a melhor metáfora não é o câncer, é a aterosclerose. De acordo com o Houaiss “é caracterizada pela formação de placas de ateroma sobre a parede das artérias”.  Os ateromas são placas, compostas basicamente por gordura e tecidos fibrosos, que diminuem o diâmetro dos vasos, podendo obstruí-los e ser fatal quando afeta as artérias do coração ou do cérebro. Sim, essa é uma boa metáfora. As ruas são as artérias e o sangue que corre são os pedestres, os ônibus, taxis, carros particulares etc. Os ateromas são muitos: barracas, buracos, estacionamentos proibidos, filas duplas, carga e descarga de veículos em locais e horários impróprios, semáforos dessincronizados...  

Pois bem, o tratamento para aterosclerose consiste em retirar as placas de gordura que estão presas nas paredes das artérias e curar as lesões que ficam no local. Isso pode ser conseguido através de cirurgia, o cateterismo, a angioplastia a Laser. A angioplastia é um procedimento para abrir artérias bloqueadas ou estreitadas, as vezes um pequeno tubo chamado stent é colocado na artéria para mantê-la aberta depois do procedimento. Há soluções mais complexas como a cirurgia de ponte de safena, nessa cirurgia artérias ou veias de outras áreas do corpo são usadas para desviar as artérias coronárias estreitadas. E por falar em “ponte”, qual o motivo mesmo da paralisação das obras da ponte ligando os bairros da Iputinga e Monteiro? Confira a reportagem do JC sobre esta e outras obras paradas na cidade: 


Então, já imaginou se um médico sugere a um paciente com aterosclerose grave que para melhorar o fluxo sanguíneo ele deveria diminuir a quantidade de sangue? Pois é, mataria o coitado de hipovolemia! este é o estado de diminuição do volume sanguíneo, mais especificamente do volume de plasma sanguíneo. Pois então, dá para acreditar que uma das propostas para melhorar o trânsito do Recife é implementar o rodízio de veículos? Ou, melhor, como diz a Novilíngua em uso: restrição. É isso mesmo, ao invés de retirarem os obstáculos a carros e pedestres retiram os carros! 


Uma das principais obstruções nas nossas vias é formada pelos carros estacionados, regular ou irregularmente. Tendo em vista solucionar este problema a gestão anterior propôs a criação de edifícios garagem, veja o projeto em: http://www2.recife.pe.gov.br/edital-para-estudos-de-viabilidade-para-construcao-de-edificios-garagem/apresentacao/. Entretanto, até hoje a licitação não foi realizada. Alem disso, se você observar com atenção o edital, perceberá que os edifícios tem sua previsão de construção nos destinos, ou seja, você pode até demorar a chegar lá, mas quando chegar a vaga estará garantida! Não há nenhum indicativo no edital de que os prédios deveriam ser preferencialmente construídos próximos a estações de metrô ou terminais de integração. Parece-me muito mais lógico que o motorista possa dirigir até o hub de transporte público mais próximo, deixe então o seu carro e siga para o destino utilizando o transporte público. Oferecendo esta opção acredito que até admite-se falar em restrição do acesso de veículos a determinados pontos da cidade ou o estabelecimento de um pedágio para acessar áreas com mobilidade mais comprometida.
Esta medida, a restrição do uso dos veículos da forma como está, não apenas é defendida com falsos argumentos, como também é excludente, elitista e uma traição às promessas de campanha do novo governo municipal. Além disso, contradiz toda uma lógica criada por governos estadual e federal para fazer a população comprar carros. Estes são os pontos que espero esclarecer nos próximos parágrafos.
É comum que os defensores da proposta apresentem como justificativa para a imposição de restrições ao tráfego de veículos em determinados locais e horários o número de automóveis existentes na cidade, mas este argumento é falacioso. A tabela abaixo apresenta dados diversos referentes a cidades de vários países. O ponto de partida da tabela é o estudo sobre mobilidade urbana realizado pelo IPEA, ao qual acrescentei informações relativas à população, tamanho da frota e extensão das linhas de metrô. A aplicação do método de análise de regressão linear, considerando o tempo de deslocamento a variável dependente (explicada) e os demais parâmetros, um por vez, como a variável independente (explicativa), mostra que não há correlação significativa entre tempo de deslocamento e tamanho da frota! e mais surpreendente ainda, não existe correlação significativa entre o tempo de deslocamento e qualquer uma das demais variáveis! Ou seja, o tempo de deslocamento é resultado da ação de todos os fatores em conjunto e também de características específicas de cada cidade. Atribuir, ou explicar, a mobilidade (ou falta dela) a partir de uma única variável é uma simplificação absurda!


Cidade (1)
População (milhões) (2)
Tempo de deslocamento (min) (1)
Frota (3) (4)
Metrô (5)
Xangai
23,02
50,4
1.956.700
420
São Paulo
11,32
42,76
6.622.324
74,3
Rio de Janeiro
6,32
42,58
2.190.395
42
Londres
8,17
37
4.242.306
408
Estocolmo
0,87
35
453.415
105,7
Recife
1,56
34,88
578.440
39,5
Nova Iorque
8,25
34,6
6.571.265
418
Tóquio
13,22
34,5
7.813.020
292
Salvador
2,68
33,91
1.194.309
0
Paris
2,23
33,7
1.291.252
212

(1)
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1247517-transito-piora-e-sp-se-iguala-ao-rio-no-trajeto-casa-trabalho.shtml
(2)
Dados referentes períodos entre 2010 e 2012 coletados no Google
(3)
Para as cidades brasileiras dados referentes a dez/2011, Wikipedia (Denatran)
(4)
Para as cidades estrangeiras estimativa realizada com base na taxa de veículos por mil habitantes
(5)

A imposição de restrições ao uso de veículos é excludente e elitista, pois afeta a vida da grande parcela de motoristas/famílias que possuem apenas um automóvel e facilita a vida dos motoristas/famílias que possuem mais de um veículo automotor. A alteração na rotina de quem perde o direito de andar de carro é enorme, pois altera trajeto, horários e literalmente amontoa mais usuários em um sistema de transporte público já precário e perigoso. Às imagens rotineiras de superlotação, some-se a insegurança. Quem duvidar consulte a família de Suany Muniz Rodrigues (http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/policia/noticia/2013/02/21/mulher-morta-durante-assalto-a-onibus-em-jaboatao-dos-guararapes-74108.php) ou a família do garoto de dois anos vítima da selvageria das torcidas organizadas (http://noticias.r7.com/videos/menino-de-2-anos-leva-pedrada-durante-briga-de-torcidas-organizadas-no-recife/idmedia/51470df892bb16908db6df66.html) ou aos cadeirantes/idosos que precisam encarar calçadas como estas:

Além de todas as questões objetivas tratadas até aqui, há também em tal medida uma óbvia traição às promessas de campanha do novo governo municipal. Além disso, contradiz toda uma lógica criada por governos estadual e federal para fazer a população comprar carros. Qualquer cidadão recifense, principalmente os eleitores da nova gestão, podem ver no programa/proposta de governo que não há, no capítulo sobre mobilidade urbana, nenhuma linha tratando sobre a possível restrição de veículos. Veja o programa aqui: https://docs.google.com/file/d/0B3mwtgIfRflhZDA1Zzc4M1pjTXM/edit?usp=drive_web&pli=1.

A própria orquestração, a cronologia dos pronunciamentos e ações sobre o tema é, no mínimo, suspeita. Primeiro, o Secretário de Mobilidade lança em março a notícia de que a restrição será implantada (
http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/noticia/2013/03/15/recife-estuda-implantar-rodizio-de-veiculos-76607.php. Em abril o Prefeito desautoriza o Secretário e garante à população que tal medida não será implementada (http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/noticia/2013/04/10/geraldo-julio-descarta-rodizio-de-carros-no-recife-79277.php). Em maio o vereador Gilberto Alves (PTN) ressuscita o Projeto de Lei 77/2010, que prevê a restrição da circulação de veículos em vias de grande fluxo nos horários de picos, é estranho o súbito interesse em um projeto arquivado desde 2010 e também a coincidência de o citado vereador ser o líder do governo na Casa de José Mariano. De qualquer forma o projeto foi barrado (http://mais.uol.com.br/view/8bak1uywu0n2/vereadores-adiam-votacao-do-rodizio-de-veiculos-no-recife-04024E9A3968D0A14326?types=A&), por enquanto...

E por fim, a traição maior, O IPI é praticamente extinto (através de reduções, prorrogações da redução etc). Os Governos Federal e Estadual implementam amplos programas de incentivo à indústria automobilística (ver Prodeauto/PE e o Inovar Auto). A taxa de juros é reduzida e o crédito é ampliado à níveis nunca antes vistos na história do Brasil! Até os carros usados foram incentivados! No final de 2012 o Governo do Estado anunciou a redução do ICMS para carros usados (http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/veiculos/noticia/2012/09/24/pernambuco-anuncia-reducao-do-icms-para-carros-usados-57440.php). Até o preço do combustível é mantido estável de forma artificial, compormentendo não apenas o valor de mercado da Petrobras e de todos que nela investiram seu FGTS e afeta toda a indústria do Etanol, inviabilizando a competição do álcool carburante com a gasolina. Porém, ICMS e IPTU continuam os mesmos! Ou seja, pagamos a mesma coisa para ter menos direito de usufruir de um bem que fomos praticamente induzidos a adquirir!

 Até quando vão apresentar tantas mentiras assim e a imprensa não pergunta, nem questiona e também não expõem essas contradições óbvias?!